......... O Primeiro e Maior Romance BDSM Brasileiro .........

Submissão Concedida – 2ª Edição

Revista, atualizada e com novas práticas

......................... CLIQUE AQUI e adquira o seu .........................

_______________________________________________________________________________________________________________

 

A DIFERENÇA ENTRE

SÁDICO, DOMINADOR,

MESTRE, DONO E MENTOR.

 

          “Sádico” é o praticante ativo (*) no BDSM que encontra sua plenitude no S&M (sadomasoquismo) e caracteriza-se pelo uso da prática de infringir dor, castigos e torturas às escravas como forma de prazer (.. mútuo – afinal, não nos esqueçamos do "consensual" sempre presente). É o mais fácil de se classificar, pois sua definição consta de qualquer dicionário.

 

          “Dominador” é o praticante ativo no BDSM, mais destacadamente no D/s, caracterizado pela prática de comandar e subjugar escravas, podendo assim obter delas a obediência e a dedicação que almeja, além da entrega de seu corpo.

 

          Um dominador geralmente também pratica o sadismo. Não só para castigar suas escravas submissas por alguma desobediência ou indisciplina (mantendo assim seu domínio e disciplinamento sobre elas), como também para seu puro prazer, sendo nestes caso um Dominador Sádico.

 

          Já o “Mestre” é aquele que educa, ensina, orienta e mostra os caminhos do BDSM para a escrava. Ajuda-a a evoluir, a se descobrir, a se desenvolver e se assumir dentro do vasto universo desta nossa fantasia. Com sua prática, experiência e coerência, pode propiciar à ela a descoberta de suas tendências, de seus anseios, seus limites e suas preferências e características. É acima de tudo, um amigo, um parceiro e um guru.

 

          Num comparativo, os termos "dominador e sádico" estariam mais ligado à PRÁTICA do BDSM, enquanto "Mestre" estaria ligado à doutrina, ensinamento e pensamento. Desta forma, um Mestre na sessão (seja ela real ou virtual) estaria exercendo também as características de dominador e/ou sádico. Já um dominador – puro e simples – nunca é um Mestre. Quando muito, pode chegar a um "adestrador" ou "disciplinador".

 

          Ora, pode-se ser dominador sem ser Mestre ? Claro. Basta imaginar uma situação em que um praticante ativo conhece uma escrava já bastante experiente no BDSM. Ele será "Mestre" dela ? Muito difícil. Ele irá tê-la e dominá-la, mas não terá sido ele que a ensinou, guiou ou doutrinou no BDSM. Nem antes, nem durante seu domínio. Assim, ele seria apenas o Dominador dela, mas não o seu Mestre.

 

          Esta situação é fácil de imaginar, mas e o inverso ? Pode-se ser Mestre sem ser dominador ?

 

          Claro. Ainda mais hoje em dia - com o desenvolvimento do BDSM na internet –tornou-se comum a figura do Mestre que conhece a escrava nos chats, descobre suas tendências (e faz ela se descobrir), mostra-lhe o universo BDSM, educa-a, faz ela se assumir escrava e se orgulhar disso, descobrindo seus desejos, seus instintos, seus anseios, seus limites e seus prazeres, sem, porém - por algum motivo – possuí-la no Real, desta forma não praticando de fato o ato do BDSM, suas cenas e a sessão tão planejada e imaginada. Ele foi o Mestre dela ? Claro. Não foi o seu Dominador, mas foi o seu Mestre.

 

          Num caso extremo, poderia-se até imaginar que um praticante ativo pedisse a um amigo seu - mais experiente e paciente com a árdua tarefa de ser Mestre (hehehe) - para "disciplinar e educar a sua escrava". Neste caso, estaria este segundo sendo SÓ MESTRE dela, enquanto seu amigo que a emprestou é que é o Dominador... e Dono dela.

 

          Porém, como o maior prazer do Mestre é exatamente ensinar, guiar e iniciar  novas escravas ou evoluir aquelas já iniciadas na prática do BDSM, e como para isso é necessário que o Mestre tenha uma grande dose de poder e controle sobre a sub por um longo e irrestrito período de tempo, é comum que um Mestre não se interesse por escravas emprestadas ou por aquelas que se proponham a ser dele em apenas uma sessão. Já os dominadores, sim.

 

          Continuando, "Dono" é o mais completo e grandioso termo usado para definir um praticante ativo dentro do BDSM. O Dono é aquele que não só domina a escrava, não só a educou, disciplinou e descobriu-a, mas aquele que A TEM. Sua escrava não é simplesmente uma escrava, é "A" escrava. Não é uma sub, e sim a sub DELE. Ele não tem a sua posse restrita às sessões como o dominador, pois sua posse extrapola os limites físicos do BDSM e adentra nos sentimentos, pensamentos, personalidade e convicções de sua sub. A escrava não é escrava sem ele, mas com ele não tem sequer a posse do próprio corpo, que já ofertou a seu DONO, bem como sua mente se volta não para a prática do BDSM (num agrado passageiro àquele que a subjugue numa sessão ou numa cena), mas à dedicação e obediência constante àquele que a conquistou de corpo e alma.

 

          Mas não limitemos a figura do Dono ao D/s 24/7, onde – convenhamos - sua figura é imprescindível. O Dono existe a partir do momento em que a escrava descobre aquele a quem se entregará e abandona sua busca de um Mestre Dominador. É quando sua libido, seu desejo e seus pensamentos BDSM se voltam para aquela única pessoa com a certeza, a convicção e o orgulho de constatar ser ele sua "cara metade" no universo BDSM.

 

         Em suma, o Dono tem a entrega da escrava a ele restrita e assumida. Ele tem o DOMÍNIO total e exclusivo da escrava, extrapolando o momento físico da sessão real ou virtual, destacando-o assim do simples Dominador, que pode até dominar escravas que nem são dele.

 

          Porém, pode-se ser o dominador momentâneo de uma escrava libertina ? Sim. Pode-se até guia-la e ser seu Mestre, mas seu Dono, nunca. Assim o que mais caracteriza o dono é a entrega e fidelidade de sua escrava.

 

          O Dono também não tem só a atenção e o respeito que tem o Mestre, Ele tem a concordância e obediência cega de sua escrava. Ela não só aprende e se descobre com ele, como é com o Mestre, pois o Dono também impõe seu estilo e molda sua escrava. Afinal, ele é aquele que a sub escolheu não só para conduzi-la, mas para moldá-la e lapidá-la.

 

          Porém, cumpre acrescentar uma observação: O domínio é uma concepção que pode se materializar através da "propriedade" ou da "posse". Como em BDSM não existe qualquer termo ou ato formal que possa caracterizar uma propriedade (a não ser o registro virtual ou por vezes até cartorial de "contratos de servidão" sem qualquer valor legal ou moral), o Domínio em BDSM não poderia ser exercido através da propriedade, mas tão somente por meio da POSSE. Ou seja, é necessário para ser Dono que o praticante ativo tenha "tomado posse" do que é seu e isso só se processa através de uma relação real.

 

          Os mais liberais poderiam até encarar uma entrega e sexo virtuais como uma posse do internauta sobre sua escrava. Porém, uma análise mais coerente só leva-nos a concluir que ali houve apenas uma "dominação", nunca uma posse.

 

          Também a coleira poderia ser confundida como um termo formal de propriedade, mas não é. Ela é um símbolo, e não um termo. Mesmo porque, uma coleira virtual necessita apenas de um clicar no hiperlink "sair da sala" para desaparecer. Porém, a "verdadeira coleira" que um Dono coloca em sua escrava não é virtual e nem mesmo de couro. Ela é de entrega, de convicção, de segurança e de sentimentos. E essa, não há clicar ou fecho que permita tira-la facilmente *pisc

 

          Destarte, somente pode-se ser Dono no Real. No virtual, no máximo, pode-se ser Dominador.

 

          Mas não menospreze-se a importância do virtual. Afinal, hoje em dia com a internet, eu diria que o Mestre é uma figura mais presente e salientada no virtual, pois maioria do seu ensinamento e da descoberta da escrava se faz através deste meio. No real, é mais comum o Mestre exercer seu papel de Dominador/sádico, pondo em prática seus ensinamentos e extraindo da escrava tudo aquilo que puderam descobrir, desvendar e aprender em seus contatos virtuais.

 

          Por fim, os 4 tipos de praticantes ativos anteriores são assim definidos em função de sua relação com suas escravas (sejam virtuais, reais, deles ou não). Porém, existe ainda a figura do “Mentor”, que por vezes pode até ser confundida com a do Mestre, mas que não tem sua atuação no BDSM estreitamente ligada à sua relação com alguma(s) escrava(s).

 

         O Mestre é aquele que transmite seus conhecimentos e experiências no BDSM, mas em private a um numero restrito de pessoas, em sua totalidade escravas. Já o Mentor extrapola este universo e acaba por também repassar seus conhecimentos a outros Mestres e a grupos, chegando inclusive a ser criador e formador de opinião.

 

         Sua pretensão - como Mentor - é desde o início restrita ao objetivo de disseminar, discutir e aprimorar o pensamento e a cultura BDSM. Se daí surgir alguma "pupila" em especial por quem ele se interesse, ele passará então a ser Mestre dela, não Mentor “dela”. Desta forma, o Mentor não estaria associado a uma relação direta com escravas, como o Mestre, mas sim a uma relação com o meio BDSM como um todo.

 

          Inclusive, complete-se que o Mentor nem mesmo tem que ser obrigatoriamente um praticante ativo no BDSM, uma vez que pode-se até classificar como mentores alguns(mas) escravos(as) quando eles, de alguma forma, criam, desenvolvem, aprimoram, discutem, ensinam e proliferam a cultura e o pensamento BDSM a outros praticantes, até mesmo ativos.

 

          Agora, não me perguntem a definição de Lord, Sir, Herr, Fuhrer, Adestrador, etc... Os termos que usei aqui não se relacionam aos nicks e títulos que cada um cria e escolhe para si, e sim com seus comportamentos, poder e estilos que eu classificaria nestes 4 tipos. O titulo que cada um usa é de sua livre escolha... Alias.... Ainda bem que é assim, pois se nos baseássemos na maioria dos "aliens" que entram nas salas com nicks de Dominador, Mestre e Dono, estaríamos perdidos. *rs

 

          Bem, espero Ter demonstrado minha visão quanto às diferenças e interações entre Sádico, Dominador, Mestre e Dono, concluindo que o ideal é ser os quatro: Mestre no prelúdio virtual e no desenvolvimento da escrava, Sádico Dominador na sessão e Dono sempre.

 

                      É a minha opinião,

 

Jot@SM

  

____________________________________________________________

 

(*) Os "praticantes ativos" também são chamados de "Top". Porém, evite de usar este termo porque ele denota uma imagem de "superioridade" aos praticantes ativos e concomitantemente de  “inferioridade” às praticantes passivas da qual eu discordo e rejeito.