......... O Primeiro e Maior Romance BDSM Brasileiro .........

Submissão Concedida – 2ª Edição

Revista, atualizada e com novas práticas

......................... CLIQUE AQUI e adquira o seu .........................

_______________________________________________________________________________________________________________

 

EMPRÉSTIMO DE ESCRAVAS

 

          Quando se pergunta sobre empréstimo de escravas, logo vem-nos à cabeça respostas simplistas como “empresto ou não empresto”, “tenho ciúme ou não tenho ciúme”, “ela quer/deixa ou não”, que levam ao “Depende do Consensual” ou “Estando no contrato com minha escrava, tenho direito”.

 

          Em primeiro lugar é pleonasmo dizer que algo no BDSM tem que ser Consensual. Pois  “TUDO” no BDSM tem que ser consensual, mesmo fazendo parte de um consensual amplo e irrestrito representado pela entrega total da escrava que abre mão de todos os seus limites e se entrega integralmente nas mãos e nos desejos de seu Mestre, pois mesmo aí existiu o Consensual no momento prévio em que ela fez essa entrega total.

 

          Por outro lado também não acredito na força dos contratos de submissão. E caso a permissão para o empréstimo esteja lá, o principal foi a consensualidade da escrava em incluí-lo e não a existência de tal contrato que não gera um direito obrigacional real e nem tem força coercitiva (mesmo pq coação não faz parte do BDSM), mas tão somente representa uma exposição textual e física dos sentimentos, condutas e entrega da sub.

 

          Prosseguindo, o que leva um Mestre a emprestar sua escrava e esta a “consentir” isso ?

 

          Se o empréstimo é feito porque a escrava quer ampliar seu numero de parceiros, estamos – na minha opinião – mais num caso de libertinagem do que de empréstimo BDSM.

 

          Nada contra a libertinagem. Longe de mim condená-la. E se este é o estilo, o desejo e o objetivo do casal, que se ponha em prática intensamente, sem culpas, sem falsos moralismos e sem limites. Porém, devo aqui falar sobre minhas convicções quanto ao meu estilo de BDSM, e delas depreendo que a escrava numa relação BDSM (no “BDSM Romântico” como defino meu estilo) deve escolher a um Dono exclusivo e a ele se dedicar integralmente. A escrava não tem a liberdade para mudar de parceiros a cada dia/momento, variando e multiplicando livremente o numero de Dominadores (pq quem esteja numa situação dessas não é Dono, é Dominador apenas). Esta é a minha visão da MINHA escrava submissa. Porque como digo, não SE É SUB. simplesmente, se é sub DE ALGUÉM.

 

          É neste contexto que acredito que muitos respondem se emprestariam ou não suas escravas. Ou seja, na verdade respondem se teriam ciúmes delas e se julgariam o ato uma infidelidade e por isso não aceitariam que ela FOSSE DE OUTRO, ou então diriam não ter ciúmes (ou não o assumiram) e assim emprestariam livremente sua escrava, até mesmo para implementar uma possível fantasia que faça parte do universo deles.

 

          Mas há um detalhe importante no empréstimo BDSM: a escrava não é do outro em momento algum, ela continua sendo SÓ DE SEU DONO, mesmo estando nas mãos do outro e sendo usada por ele.... Duvidam ? ... 

 

          Ainda nas respostas, vejo que muitas vezes o impedimento do empréstimo nem vem do Mestre que se agrada ou não com ele, mas sim da escrava que o inclui em seus limites. E pq inclui ? Primeiro por não ser e nem querer viver uma fantasia libertina, segundo porque o empréstimo para ela (e para seu Mestre também) nem soa como ciúme ou não, muito menos com grandeza. Soa como DESPREZO do Mestre pela escrava. Ou seja, o Mestre empresta sua escrava na tentativa de mostrá-la que ela não tem o menor valor ou importância para ele e por isso mesmo ele a dá e empresta sem nenhum constrangimento, sentimento, rancor ou ciúme.

 

          Mas o empréstimo – na minha opinião - não pode ser usado como humilhação ou desprezo. NUNCA !! Muito pelo contrário. Ele dignifica a escrava e mostra a intensidade de sua submissão, dedicação e entrega a seu Dono.

 

          Mas como ? Perguntariam alguns... Como Pode a escrava demonstrar pertencer intensa e EXCLUSIVAMENTE a seu Dono, exatamente no momento em que está sendo emprestada e usada por outra pessoa ?

 

          Ora, parafraseando o clássico “História de O”, de Pauline Réage, a maior prova de que a escrava pertence a um Mestre é ele poder emprestá-la, pois só se pode emprestar, aquilo que nos pertence !!

 

          À primeira vista isto pode parecer consolo de corno, mas não é. E é por isso que o mais importante no empréstimo é se avaliar e se cumprir o seu objetivo, qual seja, o da escrava demonstrar sua dedicação e entrega a seu Dono e este confirmar sua posse e poder sobre o corpo e desejos de sua serva.

 

          A escrava não escolhe e nem aceita o outro homem para quem está sendo entregue. Ela não está querendo experimentar e estar com a outra pessoa, sendo infiel com seu Dono ou querendo variar e ampliar o número de parceiros. Ela estará tão somente e sublimemente exercitando a sua submissão exclusiva a seu Dono, obedecendo-o e entregando seu corpo a ele a tal ponto que ele possa dá-lo a quem quiser.

 

          Assim, é importantíssimo no empréstimo que a escrava esteja entregando seu corpo não ao outro homem, mas sim a seu Dono. Ela deve entregar seu corpo e seus desejos àquele que escolheu servir e este sim pode dá-lo a quem bem aprouver e sob sua exclusiva escolha e arbítrio. Este é o verdadeiro empréstimo BDSM. O “outro homem” pouco representa na relação. A entrega esta sendo feita pela escrava a seu Dono que comprova desta forma ter a posse total e irrestrita do corpo dela através do seu uso por quem ele determinar livremente. Isto sim é literalmente se dizer que o Mestre é o DONO do corpo e dos desejos da escrava e por isso pode emprestá-lo a quem quiser.

 

          Há casos de empréstimos nos quais o Dono tem o objetivo de emprestar a escrava a outro Mestre para a evolução dela (p.ex.: Um Mestre que não saiba fazer uma determinada cena ou prática e empresta a sua escrava a um outro que saiba para que ela experimente, ou um Mestre que queira que sua escrava experimente a sensação de pertencer a outro Mestre para que ela confirme sua escolha, etc...), hipótese em que a entrega tem que ser mais efetiva e o outro Mestre realmente terá o controle da situação, podendo inclusive ficar sozinho com a escrava.

 

          Existem também empréstimos exclusivamente para cenas, onde não há qualquer contato sexual ou de libido com a escrava. Por exemplo: um empréstimo para um spanking, ou para um Bondage.

Porém, num empréstimo puro e simples e com contato sexual envolvido, como garantir que a escrava não esta “querendo” o outro homem e está disfarçando este desejo dizendo entregar seu corpo a seu Mestre e não ao outro ?

 

          Simples. Não deixe que ela saiba para quem está sendo emprestada, pois, sendo assim, como ela poderá estar desejando-o ou escolhendo-o ? 

 

                    ...

 

          Mas como fazer isso ?

 

          Em primeiro lugar, frise-se que o mais importante e mais difícil é escolher a pessoa certa. Sim... Pasme-se, mas é DIFICÍLIMO encontrar um “outro homem” que queira participar da cena, em especial porque a maioria dos grandes Mestres não se agrada de possuir uma escrava emprestada. Eles querem e tem suas próprias escravas e por isso para que possuir a de outro sob empréstimo ? E imagina-se que isto ocorrendo, o Mestre arrendador estará na verdade “fazendo um favor a um amigo (O Dono da escrava)” e não “se aproveitando ou se deleitando com a escrava alheia”.

 

          Além disso, é preciso que seja uma pessoa confiável e que entenda o que está acontecendo ali. Não agradaria a nenhum Mestre emprestar a escrava a um cético ignorante que sairia da cena julgando-os um Mestre corno e uma escrava promíscua, em vez de respeitar e valorizar aquela cena especial.

 

          Assim, o escolhido deve ser alguém confiável e que se sujeite às regras do jogo. Porque – nesta forma de empréstimo - o Mestre em momento algum se afastará dos dois e o escolhido deve respeitar as determinações e limites impostos prévia e no momento pelo Dono da escrava, que é quem irá orquestrar toda a cena e se manter como Dono ÚNICO dela.

 

          Por fim, o escolhido não deve sair daquela relação iludido em julgar que houve algum envolvimento ou algum interesse da escrava por ele. Porque não houve. Tentar algum contato ou sedução posterior com ela é ridículo, condenável e inadmissível. E de uma forma bem fria de análise, dá bem para reparar quem foi “usado” ali, não ? *RRR...

 

          Mas encontrando a pessoa certa, como evitar um envolvimento da escrava com ele ? Simples. A escrava não deve saber nem “quem” ele é e nem “como” ele é. Para isso ela não participa de nenhum processo de escolha. Afinal, se participasse, ela estaria de alguma forma se entregando ao outro, pois escolheria seu tipo e aquele que lhe gerasse desejo e não é este o intuito. A escrava apenas entrega seu corpo totalmente AO SEU DONO, e este sim irá definir sozinho e sem nenhuma consulta, interferência ou preferência da escrava, a quem a mesma será emprestada, e se for alguém que ela nunca escolheria, melhor.

 

          Já durante a sessão de empréstimo, a escrava deve ser vendada cuidadosamente de forma a garantir que a mesma não tenha a menor condição de ver o escolhido, devendo-se combinar que o mesmo fale o mínimo possível durante a cena e, por fim, deve-se deixar a escrava amarrada o maior tempo possível, pois assim, nem mediante o tato ou o toque a mesma poderá definir “como é” o homem para quem está sendo emprestada.

 

          Desta forma, sem saber quem ele é nem como é, sem ver, sem ter conversado, sem ter escolhido, sem ter avaliado, sem tê-lo desejado, a quem a escrava está dando seu corpo ? Ao “outro” ? Claro que não ! Sem saber quem é e nem como ele é ? Ora, ela entregou seu corpo antecipadamente a seu Mestre e ali naquele momento, está apenas confirmando a plenitude desta entrega e a intensidade e poder da posse de seu Dono ao ser de quem ELE determinou, seja quem for.

 

          E para que tudo saia conforme o previsto, é preciso que a escrava só seja solta e desvendada quando o outro for embora, e que este nunca a procure e nem lhe seja dito ou mostrado quem ele é.

 

          Para as mulheres eu perguntaria: No fim das contas isso tudo não é algo extremamente excitante que seu Dono estaria lhe proporcionando ? Ter na lista dos homens que já possuíram seu corpo um que vc. não tem a mínima idéia de quem é e nem mesmo como ele é ? Já imaginou participar de encontros BDSM e imaginar se não estaria ali o tal homem ? Ele sabendo quem vc. é, e vc. não ?

 

          E para os Mestres que não experimentaram tal prática, vocês não imaginam a sensação única de poder que é dispor de um corpo feminino e poder vê-lo guiado e obedecendo às suas vontades, não para si mesmo, mas dispondo-o para quem vc determinar. Vc. escolhe, não ela.

 

          ...

 

          Mas nem tudo são rosas. São necessários alguns cuidados importantíssimos, não só no tocante à saúde e segurança do empréstimo, mas também com a parte emocional tanto da escrava, como do próprio Mestre.

 

          Se a escrava não estiver convicta de que o intuito do empréstimo e seu contexto único é a comprovação de que seu corpo pertence ao seu Dono e por isso ele pode emprestar a quem quiser, NUNCA, mesmo sob permissão e consensualidade, mesmo sob a égide da entrega total da escrava, não se deve emprestá-la jamais. Primeiro pelo risco mais egoísta de que ela pode é estar querendo outro homem e está usando o empréstimo como justificativa (e assim traindo a confiança de seu Mestre e seus dogmas BDSM), ou mesmo vir a se agradar e se envolver com aquele outro no empréstimo e – pior – depois dele. Segundo porque se esta escrava não consegue entender, concordar e assumir a dinâmica verdadeira e honesta do empréstimo, o mesmo será na realidade uma grande AGRESSÃO à sua honra, à sua moral, à sua libido e a beleza da relação que tem com seu Dono, que pode até mesmo acabar por fazê-la se enojar dele e do BDSM. Ela pode acabar, em vez de orgulho e de convicção em sua entrega e submissão, sentir-se rejeitada, desvalorizada, agredida, ofendida e principalmente, pode sentir-se promíscua e obscena, o que – não me contestem – a escrava submissa não é, muito pelo contrário, e menos ainda neste momento especial.

 

          Por isso, o empréstimo nem mesmo deve ser uma “prova de submissão da escrava feita sob pressão” nem um teste de confirmação da entrega total, porque não é. Pois se não se confirmar, mediante muito diálogo e sinceridade que a escrava está ciente e convicta da dinâmica do empréstimo, não há nada que justifique que o mesmo seja feito.

 

          Mas não falemos dos problemas com a escrava. E o Mestre ? É preciso que ele tenha muito, mas muuuuito cuidado para não ser leviano e precipitado neste empréstimo. Ele deve conhecer e avaliar muito bem seus próprios sentimentos para com aquela escrava em especial que irá emprestar e se existe em seu íntimo algum ciúme por ela. Assim ele evita de, por capricho ou exibicionismo, precipitada e erroneamente emprestá-la. Isso porque, não nos iludamos: na hora do empréstimo, por mais que o mesmo se processe da forma como narrei acima, algum mínimo e instintivo envolvimento irá ter entre a escrava e o escolhido. Afinal, estamos falando de um homem e uma mulher num ato sexual e erótico. Logo, isso pode facilmente acontecer e não há como exigir que a escrava se mantenha impassível, frígida e não sinta como mulher absolutamente nada durante o empréstimo, senão sua submissão e dedicação a seu Dono. É claro que não. Por isso o Mestre deve estar preparado para neste momento, aceitá-lo maduramente e entendê-lo, e não acabar por tirar o escolhido de cima da escrava e espancá-la violentamente num frenesi de ciúme incontrolável.

 

          Enfim, o Mestre também deve entender o significado e importância do empréstimo no BDSM. Ele não pode deixar que nenhum resquício ruim reste da cena e acabe por julgar depois sua escrava uma depravada por tê-la feito (tem doido que seria ingrato a este ponto), ou pior, ele mesmo ter feito o empréstimo na tentativa de sufocar um envolvimento e um sentimento maior que esteja surgindo, ou – o mais condenável – fazer o empréstimo como um ato de desprezo à sua escrava.

 

          Isso tudo é inadmissível.

 

          Aquele ato está sendo uma das maiores provas de que a escrava pertence a seu Dono, confia nele cegamente a ponto de por em suas mãos seu corpo não só para ele mas para quem ele determinar. Da mesma forma, é um momento de poder único para um homem, um Mestre, um Dono. Logo, não há que se deixar surgir sentimentos mesquinhos ou inseguros, muito menos esconder a grandeza daquele momento sob a égide de poder prepotente, ciúme frágil, ressentimentos ou falta de reconhecimento do grande valor e dedicação de uma escrava submissa.

 

          É a minha opinião,

 

                                             Jot@SM

                                   

 

 

EM TEMPO: Nunca peça ou sugira a um Mestre que ele empreste sua escrava, nem mesmo insinue perguntando se ele o faz. Não é de bom tom, mesmo para um Mestre que sabidamente já tenha emprestado escravas. Mesmo porque, cada caso é um caso, cada escrava é uma escrava. Seja por respeito aos limites/estilo dela, seja pela forma/intensidade e intenção/pretensão de relacionamento que o Dono tem com aquela escrava em especial.