......... O Primeiro e Maior Romance BDSM Brasileiro .........

Submissão Concedida – 2ª Edição

Revista, atualizada e com novas práticas

......................... CLIQUE AQUI e adquira o seu .........................

_______________________________________________________________________________________________________________

 

TORTURA & CASTIGO

 

 

          É importante se distinguir a diferença entre "tortura" e "castigo".

 

         Tortura é uma pratica assente nas sessões, relações e cenas BDSM (inclusive entre os Mestres mais dominadores e menos sádicos). Consiste em se infringir dor à escrava (masoquista ou submissa) sem qualquer "motivo", por puro capricho do Mestre e para seu deleite. Tal prazer pode ser compartilhado pela escrava se ela for masoquista, ou simplesmente suportado se for somente submissa (*). A intensidade das torturas está vinculada ao "desejo do Mestre", à "situação" e ao "suporte da escrava". Assim sendo, nas mãos de um verdadeiro Mestre experiente, nem a mais Hard das escravas MASOQUISTAS estará "carente" de sentir dor, pois este seu desejo já estará pra lá de saciado por meio das torturas. E assim sendo, não terá "necessidade" de cometer erros em busca de "castigos". E se recebê-los, os mesmos não serão um complemento prazeroso ao seu masoquismo ou um momento de deleite como dizem aqueles que imaginam que uma masoquista venha a cometer erros, buscando castigos.

 

         Dirão os dominadores disciplinadores que tais torturas são "gratuitas" e típicas de sádicos e não de dominadores. Mas vemos aí uma utilidade.

 

         Muitos Mestres fazem sessões sob a égide de disciplinamento, restringindo a dor aos momentos de repreensão a erros muitas vezes conseqüência de proposital rigidez do Mestre nas exigências para com sua escrava, visando ele poder se deleitar na aplicação de um castigo. Porém, a meu ver, acostumar a escrava submissa a só sentir dor como represália a um erro é, sendo ela também masoquista, um estímulo à sua indisciplina e, sendo ela só submissa, uma perda de excelente oportunidade para ela demonstrar sua dedicação, mediante a resistência à dor que não lhe é prazerosa.

 

          Já os "castigos" são atitudes que não devem ensejar prazer a nenhuma das partes. Castigo é uma represália a um erro. E uma VERDADEIRA escrava, seja ela masoquista ou submissa, não se sente bem em saber que cometeu um erro e desagradou seu Dono. Tal "vergonha" já deveria ser para ela suficiente revide e geralmente é. Um castigo é uma atitude que deve ser levada com profundo  e explícito descontentamento do Mestre e por isso não deve fazer parte constante do disciplinamento e nem se deve "castigar por qualquer coisa" visando justificativas para infringir dor. Um Mestre não precisa justificar seu sadismo pois pode exerce-lo a bel-prazer (e que Prazer) por meio das torturas.

 

         Assim sendo, um "castigo" pode até ser menos intenso em dor e sofrimento que uma tortura, mas leva consigo um fator psicológico que "dói" na escrava muito mais que qualquer surra de tirar sangue. É o fator da vergonha diante do desagrado de seu Dono e de sua falha em ser-lhe o mais perfeita possível. Qualquer escrava experiente sabe a diferença de sentimentos e pensamentos que corre em seu corpo e mente no momento de uma tortura e no momento de um castigo. Pode até mesmo a atitude ser idêntica (10 açoites com o chicote X) e a dor física na tortura ser maior que no castigo, mas - sem dúvida - o efeito psicológico no segundo é diferente, bem mais forte e muito mais doloroso que na primeira, e vale mais que a dor física.

 

        Destarte, acredito que, numa intensa e desenvolvida relação BDSM, uma simples advertência verbal, demonstrando com rigor todo o descontentamento e reprovação do Dono, pode ser para a escrava um "castigo" de intensidade muito pior que qualquer "tortura" que a deixe com a pele em carne viva. Pois fere diretamente seu "orgulho" de escrava. E uma verdadeira escrava é acima de tudo "orgulhosa" em tentar ser a mais perfeita, completa, obediente e impecável das submissas.

        

                     É a minha opinião,

 

Jot@SM